Notícias
19/12/2011
Médicos em defesa das crianças desaparecidas
Os Conselhos Federal e Regionais de Medicina colaboram para a elucidação de casos de desaparecimento de crianças, apoiando a atuação das autoridades governamentais competentes.


Os Conselhos Federal e Regionais de Medicina colaboram para a elucidação de casos de desaparecimento de crianças, apoiando a atuação das autoridades governamentais competentes.

Observar semelhanças com os pais, sinais de agressão, comportamento da criança com a família. Estas são algumas orientações para que os médicos fiquem atentos nos hospitais, prontos-socorros e clínicas do país. Outra recomendação é que os médicos sempre confiram os documentos do menor e dos responsáveis.

Cartazes com recomendações foram repassados para postos de saúde, hospitais e delegacias. A campanha chama atenção da sociedade e dos médicos para o grande problema do desaparecimento.

 

Ao atender uma criança, fique atento aos seguintes procedimentos:

1 - Peça a documentação do acompanhante. A criança deve estar acompanhada dos pais, avós, irmão ou parente próximo.Caso contrário, pergunte se a pessoa tem autorização por escrito

2- Procure conhecer os antecedentes da criança. Desconfie se o acompanhante fornecer informações desencontradas, contraditórias ou não souber as perguntas básicas.

3- Analise as atitudes da criança. Veja como ela se comporta com o acompanhante, se demonstra medo, choro ou aparência assustada.

4- Veja se existem marcas físicas de violência, como cortes, hematomas e grandes manchas vermelhas

 

PARA OS PAIS:

 

1 - Nos passeios manter-se atento e não descuidar das crianças;

2 - Procurar conversar todos os dias com os filhos, observar a roupa que vestem e se apresentam comportamento diferente;

3 - Procurar conhecer todos os amigos do seu filho, onde moram e com quem moram;

4 - Acompanhá-los a escola, na ida e na volta, e avisar o responsável da escola quem ira retirar a criança;

5 - Colocar na criança bilhetes ou cartões de identificação com nome da criança e dos pais, endereço e telefone, orientar a criança quanto ao uso do cartão telefônico, bem como fazer chamadas a cobrar para pelo menos três números de parentes, e avisá-los desta orientação;

6 - Não deixar as crianças com pessoas desconhecidas, nem que seja por um breve período de tempo, pois muitos casos de desaparecimento ocorrem nestas circunstâncias;

7 - Fazer o mais cedo o possível a carteira de identidade no Instituto de Identificação do Paraná;

8 - Manter em local seguro, trancado e distante do alcance das crianças arma de fogo, facas, qualquer objeto ou produto que possa colocar a vida delas ou outras pessoas em risco;

9 - Orientar as crianças a não se afastar dos pais e fiscalizá-las constantemente;

10- Ensiná-las a sempre que estiverem em dificuldade a procurar uma viatura policial, ou um policial fardado (PM ou Guarda Municipal), e pedir ajuda;

11- Evitar lugares com aglomeração de pessoas;

12- Perdendo a criança de vista, pedir imediatamente ajuda a populares para auxiliar nas buscas e avisar a polícia.

 

TELFONES:

 

- Rede Nacional de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos - Tel.: (61) 3429-9336

- Serviço de Busca de Paradeiro da Cruz Vermelha Brasileira - Tel.: (21) 2221-0658 / e-mail: tracingbrazil@yahoo.com.br

- Polícia Federal - Denúncias sobre tráfico de seres humanos

- Secretaria de Justiça e Segurança do Rio Grande do Sul

- SOS Crianças Desaparecidas do Rio de Janeiro - Tel.: (21) 2299-1495 / e-mail: soscriancadesaparecida@hotmail.com

- SOS Crianças Desaparecidas de Goiânia - Disque Denúncia: 0800 62-1177

- Disque denúncia Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes - Tel.: 0800 99-0500

 

www.medicinaecriancasdesaparecidas.com.br

Mapa
Rua Topázio, 789 - Bosque da Saúde Cuiabá - MT, 78.050-040
(65) 3648-0700